Pular para o conteúdo principal

Doce lápis pirulito..

Encontrando doce entre as mãos
nos encontros das letras..
faço livro em uma página
distribuo um capítulo em uma linha..

Das vogais que moram em mim
fazendo encontros com meu imaginário..
vocálicas palavras transeuntes..
morada dos cabeçalhos
morada dos racionais e emotivos pensamentos..

Doce mel que desde na ponta dos meus dedos
me trazendo o maná do dia..
gota que escorre pelo lápis
imaginário pirulito de letrinhas
onde as palavras me curam
me leêm e me traduzem..
divã e alfabeto amigo
quem nunca precisou escrever
pra poder se ter melhor ? rs

Comentários

aluisio martins disse…
sem isso não vivo e qual vc meu divã favorito nos desvãos de mim...
bj
Isa disse…
Que saudade de ti! De te ler!
Está tudo bem com você?
Posso estar um tempo sem dizer nada!
Mas AMIZADE é para sempre.
Beijo.
isa.
HSLO disse…
amei a escolha da imagem para completar a beleza desse texto.


abraços


Hugo
Novembro. disse…
Gostei de como escreveu.
Mahria disse…
Querida
Que saudade... ainda não tinha percebido que você tinha voltado.
Sua presença é um doce na blogosfera, tal qual um pirulito em meio as mãos de uma criança.


Bjs
Mah
Sonhadora disse…
Venho do Espaço Aberto, cumprindo as regras do Poemão.
Estou seguindo, gostei muito do que li, muito belo este poema.
Vou voltar, juntei o útil ao agradável.

beijinhos
Sonhadora
Ah! Se a vida fosse essencialmente palavras, e se houvesse apenas um idioma, o da sensibilidade, certamente muitas seriam como esse doce poema. Mas há muitos silêncios incompreensíveis, também, na vida. E há tantos idiomas insensíveis!
Seus versos são lindos, difícil é destacar algum, pela elevada beleza de todos, mas eu ousaria destacar: “onde as palavras me curam / me lêem e me traduzem...” (raríssima beleza!) e “quem nunca precisou escrever / para poder se ter melhor?” (maravilhosos!)
Um abraço carinhoso
Lello
Ah! Se a vida fosse essencialmente palavras, e se houvesse apenas um idioma, o da sensibilidade, certamente muitas seriam como esse doce poema. Mas há muitos silêncios incompreensíveis, também, na vida. E há tantos idiomas insensíveis!
Seus versos são lindos, difícil é destacar algum, pela elevada beleza de todos, mas eu ousaria destacar: “onde as palavras me curam / me lêem e me traduzem...” (raríssima beleza!) e “quem nunca precisou escrever / para poder se ter melhor?” (maravilhosos!)
Um abraço carinhoso
Lello
Meiga Senhorita disse…
Minha nossa!!! Que poema lindo. Que blog encantador, adorei passar por aqui,adorei conhecer e ler tudo isso ou quase tudo ou de tudo um pouco.Abraço

http://rascunhosdapaixao.blogspot.com/

Postagens mais visitadas deste blog

Borboletas (Mário Quintana)

Borboletas
(Mário Quintana)
Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre, e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é n…

Há para Todas as coisas, um Tempo determinado por Deus.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: . Há Tempo de nascer, e tempo de morrer; Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou: . Tempo de matar, e tempo de curar: Tempo de derribar, e tempo de edificar: . Tempo de chorar, e tempo de rir: Tempo de prantear, e tempo de saltar: . Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras: Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar: . Tempo de busca, e tempo de perder: Tempo de guardar, e tempo de deitar fora: . Tempo de rasgar, e tempo de coser: Tempo de estar calado, e tempo de falar: . Tempo de amar, e tempo de aborrecer: Tempo de guerra, e tempo de Paz. . Eclesiastes 3:1-8
Fotografia de Carol Silveiro http://www.flickr.com/photos/carolsilvestre/2943859815/

Troca-se pintinho por garrafa...rs

Retrospectivasdeinfância... . Era uma vez... Um carroceiro que passava gritando na rua: _ Trocam-se pintinhos por garrafa !!!! _Panela velha, ferro velho e garrafão. _Um garrafão vale 1 pintinho !!! . Quando ouvíamos isso, saíamos correndo gritando: _Mãe !!!! Me dá uma panela velha, um garrafão pra trocar pelo pintinho !!! Saíam as crianças todas da rua, cheias de panela, garrafas e ferro-velho para trocar pelos lindos pintinhos coloridos, de todas as cores e todos piando ao mesmo tempo, pra felicidade geral da criançada. . Eo carroceiro, muito malandramente, pegava uma quantidade que valeria no mínimo !!! uns 4 pintinhos, e na troca, só nos davam 1 ou no máximo 2 pintinhos. Mas, como éramos crianças, e não entendíamos de economia, um peso e duas medidas ou coisa do gênero.... Saíamos felizes da vida, uns com menos pintinhos, outros com uma caixa de papelão cheias deles, pra enlouquecerem as mamães. rsrs E as mães em pânico !!!! _Onde vamos botar tantos pintos ????? . Arrumávamos uma gaiola de passar…