Pular para o conteúdo principal

Trechos...


Charles Robertson deveria ter-se voltado a si mesmo. Não que isso o tivesse absolvido; ele roubara um banco. Mas pelo menos não teria sido o bobalhão de Virgínia Beach.
Sem dinheiro, Robertson, de dezenove anos, foi ao Banco Jefferson State, numa quarta-feira à tarde, preencheu um pedido de empréstimo, e saiu.
.
Aparentemente, mudou de idéia sobre o empréstimo e optou por um plano mais rápido.
Retornou dentro de duas horas, com uma pistola, um saco, e um bilhete exigindo dinheiro. O contador obedeceu e, num instante, Robertson estava segurando o produto do assalto.
Imaginando que a polícia já estivesse velozmente a caminho, ele precipitou-se pela porta da frente. Já estava a meio caminho para o carro, quando compreendeu que deixara o bilhete. Temendo que este pudesse ser usado como uma evidência contra ele, Robertson correu de volta ao banco, e tomou-o das mãos do contador.
.
Então, segurando o bilhete e o dinheiro, correu um quarteirão até o carro estacionado. Foi quando percebeu que, ao retornar para pegar o bilhete, deixara as chaves no guichê.
"A esta altura", contou rindo um detetive, "instalara-se o pânico".
Robertson meteu-se apressado num restaurante tipo fast food. Removeu uma placa do teto, e escondeu ali o dinheiro e a arma calibre 25. Fugindo rapidamente pelas ruelas, e esgueirando-se por trás dos carros, finalmente chegou ao seu apartamento, onde seu colega, que nada sabia do roubo, recebeu-o com estas palavras: _ Preciso do meu carro.
.
Veja você, o veículo de fuga de Robertson era emprestado. Em vez de confessar o crime e admitir o erro, ele enfiou a pá mais uma vez na lama, aprofundando o buraco.
_ Ih, seu carro foi roubado _ mentiu ele.
Enquanto Robertson olhava em pânico, o colega chamou a polícia para comunicar o roubo do veículo. Mais ou menos vinte minutos depois, um oficial descobriu o carro "roubado" a uma quadra do banco recém assaltado. Ele já fora avisado pelo rádio que o ladrão esquecera as chaves. O oficial somou dois mais dois e experimentou as chaves no carro. Elas funcionaram.
Os detetives foram ao endereço da pessoa que anunciara o roubo do carro. Lá, encontraram Robertson. Ele confessou, foi acusado formalmente de roubo, e posto na cadeia. Sem fiança. Sem empréstimo.
.
Tem dias que é difícil fazer direito alguma coisa. Até mesmo uma coisa errada é difícil fazer certo.
.
Págs 117 e 118a - Nas Garras da Graça

Comentários

Tatiana disse…
Agradeço a visita Chris...
E as palavras deixadas...
Mas acima de tudo agradeço o seu carinho!
Um belo final de semana para você e para todas as pessoas que estão em seu coração!

Um beijo carinhoso
Olavo disse…
Rsrs acho excelente essa história..tem dia que é melhor nem sair da cama rs
Otimo final de semana
Beijos
Tata disse…
Ai....ai...
Eu que o diga.... tem dias que o melhor mesmo seria não ter nem saído da cama! Hahahahaha
MURPHY cola do lado e aí já viu!!!!
Até o que era para dar certo dá errado ....imagina o que é errado dar certo!!!!KKKKK

Seus posts são sempre ótimos!!!

Ps= Fui te adicionar no orkut e não consegui!! :(

bjinhos
Christi... disse…
O e-mail é outro Tata, do orkut.
Te mando no seu blogue

Bjs
Alvaro Oliveira disse…
Nesta história podemos
aplicar o adágio "o criminoso
volta sempre ao local do
crime". depois de ter obtido
o dinheiro que tanto mdesejava,
algo lhe acontecia que o
condenava.
Nada como viver com o que
a vida nos oferece.

Parabéns pelo texto

Um bom fim de semana

Alvaro Oliveira

Postagens mais visitadas deste blog

Borboletas (Mário Quintana)

Borboletas
(Mário Quintana)
Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre, e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é n…

Há para Todas as coisas, um Tempo determinado por Deus.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: . Há Tempo de nascer, e tempo de morrer; Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou: . Tempo de matar, e tempo de curar: Tempo de derribar, e tempo de edificar: . Tempo de chorar, e tempo de rir: Tempo de prantear, e tempo de saltar: . Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras: Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar: . Tempo de busca, e tempo de perder: Tempo de guardar, e tempo de deitar fora: . Tempo de rasgar, e tempo de coser: Tempo de estar calado, e tempo de falar: . Tempo de amar, e tempo de aborrecer: Tempo de guerra, e tempo de Paz. . Eclesiastes 3:1-8
Fotografia de Carol Silveiro http://www.flickr.com/photos/carolsilvestre/2943859815/

Troca-se pintinho por garrafa...rs

Retrospectivasdeinfância... . Era uma vez... Um carroceiro que passava gritando na rua: _ Trocam-se pintinhos por garrafa !!!! _Panela velha, ferro velho e garrafão. _Um garrafão vale 1 pintinho !!! . Quando ouvíamos isso, saíamos correndo gritando: _Mãe !!!! Me dá uma panela velha, um garrafão pra trocar pelo pintinho !!! Saíam as crianças todas da rua, cheias de panela, garrafas e ferro-velho para trocar pelos lindos pintinhos coloridos, de todas as cores e todos piando ao mesmo tempo, pra felicidade geral da criançada. . Eo carroceiro, muito malandramente, pegava uma quantidade que valeria no mínimo !!! uns 4 pintinhos, e na troca, só nos davam 1 ou no máximo 2 pintinhos. Mas, como éramos crianças, e não entendíamos de economia, um peso e duas medidas ou coisa do gênero.... Saíamos felizes da vida, uns com menos pintinhos, outros com uma caixa de papelão cheias deles, pra enlouquecerem as mamães. rsrs E as mães em pânico !!!! _Onde vamos botar tantos pintos ????? . Arrumávamos uma gaiola de passar…