Pular para o conteúdo principal

Querido amigo Drummond...


Corpo


A Hora Do Cansaço

Carlos Drummond de Andrade - Corpo - 1985


As coisas que amamos, as pessoas que amamos
são eternas até certo ponto.
Duram o infinito variável
No limite de nosso poder
de respirar a eternidade.

Pensá-las é pensar que não acabam nunca, dar-lhes moldura de granito.
De outra matéria se tornam, absoluta,
numa outra (maior) realidade.

Começam a esmaecer quando nos cansamos,
e todos nos cansamos, por um outro itinerário,
de aspirar a resina do eterno.
Já não pretendemos que sejam imperecíveis.
Restituímos cada ser e coisa à condição precária,
rebaixamos o amor ao estado de utilidade.

Do sonho de eterno fica esse gosto ocre
na boca ou na mente, sei lá, talvez no ar.

....................................................

Nesta "viagem" diária pelos poemas do Drummond, O que poderíamos falar sobre o poema "A Hora Do Cansaço" ? Que é bonito e triste? Sim.

Mas se é bonito e triste, também é verdadeiro.

Que faz pensar?

Claro que faz.

Qualquer poema faz.

E este faz pensar nos relacionamentos, sejam de amor ou de amizade.

Pensar o quanto queremos que algo dure para sempre, mas como quase nunca conseguimos isso. Ele está aí para ser lido, degustado e pensado por cada um.

Amantes de Drummond, degustemos sua obra.

Bjs

Chris

Comentários

Olá Cris!

Tentei entrar no seu blog CRIS...para agradecer sua visita ao meu espaço,e fui barrada,quer dizer não tive permissão, ai entrei nesse para te agradecer, obrigada volte sempre,serás bem vinda.

beijooo.
Átila Siqueira. disse…
Um ótimo poema de Drumond. Muito bem selecionado. Eu dou os parabéns pela escolha, que foi ótima.

Realmente, sofremos hoje em dia do fim dessa utopia do eterno, e que é algo que rasga nossas almas, e que gera essa terrível crise na pós modernidade, chamada crise de identidade. E como Drumond era um poeta que já partilhava desse momento histórico social, logo, ele fala disso com maestria.

Hoje, vivemos entre o eterno e o efêmero, de forma muito conflitiva. E a transitividade da vida é muitas vezes buscada, mas no mais das vezes encarada com dor e sofrimento, que se tenta disfarçar em uma idéia de liberdade que já não funciona. E ai vivemos na corda bamba.

É disso que Drumond fala, dessa transitividade que para o nosso tempo é avassaladora.

Adorei seu post Cris, muito bom vim aqui ler coisas lindas. Muito obrigado pela visita no meu blog. Volte sempre, está convidada, tá?

Um grande abraço,
Átila Siqueira.
Patty disse…
Cris,
Já tinha tentado entrar no seu outro blog e só hoje vi esse endereço aqui, pode? Deve ser a idade...hahaha

Querida, obrigada pela visita e o comentário, o assunto é realmente sério.

Sobre teu post. Adoro poesia e Drummond é o verso em pessoa. Linda poesia!

Um beijo e ótimo dia!
Anônimo disse…
Aprendi muito

Postagens mais visitadas deste blog

Borboletas (Mário Quintana)

Borboletas
(Mário Quintana)

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre, e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é n…

Há para Todas as coisas, um Tempo determinado por Deus.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: . Há Tempo de nascer, e tempo de morrer; Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou: . Tempo de matar, e tempo de curar: Tempo de derribar, e tempo de edificar: . Tempo de chorar, e tempo de rir: Tempo de prantear, e tempo de saltar: . Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras: Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar: . Tempo de busca, e tempo de perder: Tempo de guardar, e tempo de deitar fora: . Tempo de rasgar, e tempo de coser: Tempo de estar calado, e tempo de falar: . Tempo de amar, e tempo de aborrecer: Tempo de guerra, e tempo de Paz. . Eclesiastes 3:1-8
Fotografia de Carol Silveiro http://www.flickr.com/photos/carolsilvestre/2943859815/

Troca-se pintinho por garrafa...rs

Retrospectivasdeinfância... . Era uma vez... Um carroceiro que passava gritando na rua: _ Trocam-se pintinhos por garrafa !!!! _Panela velha, ferro velho e garrafão. _Um garrafão vale 1 pintinho !!! . Quando ouvíamos isso, saíamos correndo gritando: _Mãe !!!! Me dá uma panela velha, um garrafão pra trocar pelo pintinho !!! Saíam as crianças todas da rua, cheias de panela, garrafas e ferro-velho para trocar pelos lindos pintinhos coloridos, de todas as cores e todos piando ao mesmo tempo, pra felicidade geral da criançada. . Eo carroceiro, muito malandramente, pegava uma quantidade que valeria no mínimo !!! uns 4 pintinhos, e na troca, só nos davam 1 ou no máximo 2 pintinhos. Mas, como éramos crianças, e não entendíamos de economia, um peso e duas medidas ou coisa do gênero.... Saíamos felizes da vida, uns com menos pintinhos, outros com uma caixa de papelão cheias deles, pra enlouquecerem as mamães. rsrs E as mães em pânico !!!! _Onde vamos botar tantos pintos ????? . Arrumávamos uma gaiola de passar…