Pular para o conteúdo principal

O Ser Fotógrafo...Depoimento




Um depoimento...
.
H
á 20 anos sou fotógrafo do jornal do Brasil, isto é suficiente para me ligar ao mundo em todos os momentos.
Minha aventura pessoal, identifica-se com a aventura vivida pelo mundo. Sou um homem manejando uma câmera. Quando bem operada, é um fósforo aceso na escuridão.
Ilumina fatos nem sempre muito compreensíveis. Oferece lampejos, reveladores do impasse do mundo. E desperta nos homens desejo de destruir este impasse.
.
Dirijo minha energia à perseguição deste objetivo, captar a aventura de cada um, desvendando através da imagem, seus pequenos mistérios.
Gosto de ter absoluta visão da rua, meu ambiente, lugar onde os homens lançam desejos e sofrem destinos.
Na rua me esforço para atender ao mundo, e reproduzir o meio físico através de minha maneira particular de olhar a vida.
.
Neste esforço de desvendar a alma das coisas, sou um profissional insatisfeito.
Minhas fotografias são tristes, sou fotógrafo que anda devagar com sua máquina.

A ênfase que coloquei no meu trabalho, cristalizando o meu momento numa imagem não contribui para trazer alívio ás minhas aflições...
.
O mais importante é o que deixei de fazer, e o que deixarei de realizar vida afora...
.
Evandro Teixeira
(Depoimento em seu livro – Fotojornalismo)

Comentários

D.Ramírez disse…
eixeira é um papa né, da fotografia.Conhecedor profundo da fotografia e seus leques, um dos mais respeitdos fotojornalistas brasileiros.
Dizer oq das palavras dele..clica-lo talvez seria uma forma de resposta.
Besos

Postagens mais visitadas deste blog

Borboletas (Mário Quintana)

Borboletas
(Mário Quintana)

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre, e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é n…

Há para Todas as coisas, um Tempo determinado por Deus.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: . Há Tempo de nascer, e tempo de morrer; Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou: . Tempo de matar, e tempo de curar: Tempo de derribar, e tempo de edificar: . Tempo de chorar, e tempo de rir: Tempo de prantear, e tempo de saltar: . Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras: Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar: . Tempo de busca, e tempo de perder: Tempo de guardar, e tempo de deitar fora: . Tempo de rasgar, e tempo de coser: Tempo de estar calado, e tempo de falar: . Tempo de amar, e tempo de aborrecer: Tempo de guerra, e tempo de Paz. . Eclesiastes 3:1-8
Fotografia de Carol Silveiro http://www.flickr.com/photos/carolsilvestre/2943859815/

Troca-se pintinho por garrafa...rs

Retrospectivasdeinfância... . Era uma vez... Um carroceiro que passava gritando na rua: _ Trocam-se pintinhos por garrafa !!!! _Panela velha, ferro velho e garrafão. _Um garrafão vale 1 pintinho !!! . Quando ouvíamos isso, saíamos correndo gritando: _Mãe !!!! Me dá uma panela velha, um garrafão pra trocar pelo pintinho !!! Saíam as crianças todas da rua, cheias de panela, garrafas e ferro-velho para trocar pelos lindos pintinhos coloridos, de todas as cores e todos piando ao mesmo tempo, pra felicidade geral da criançada. . Eo carroceiro, muito malandramente, pegava uma quantidade que valeria no mínimo !!! uns 4 pintinhos, e na troca, só nos davam 1 ou no máximo 2 pintinhos. Mas, como éramos crianças, e não entendíamos de economia, um peso e duas medidas ou coisa do gênero.... Saíamos felizes da vida, uns com menos pintinhos, outros com uma caixa de papelão cheias deles, pra enlouquecerem as mamães. rsrs E as mães em pânico !!!! _Onde vamos botar tantos pintos ????? . Arrumávamos uma gaiola de passar…