Pular para o conteúdo principal

Vislumbre da iniciação...


... Tinha a pele mais pálida que jamais tinha visto, e o cabelo negro e brilhante, cortado em ângulo reto, emoldurava seu rosto. Seus lábios estavam pintados com algo que parecia sangue fresco, e círculos esfumaçados de sombra escura rodeavam seus olhos verdes. Movia-se como um felino, como se aquele corpo apertado num corselete de escamas reluzentes fosse de água e tivesse aprendido a enganar a gravidade, Em sua garganta esguia e interminável enrolavam-se uma fita de veludo escarlate, da qual pendia um crucifixo invertido. Incapaz de respirar, vi que se aproximava lentamente, meus olhos grudados naquelas pernas desenhadas com traço impossível, sob meias de seda que provavelmente custavam mais do que eu ganhava em um ano, apoiadas em sapatos pontiagudos como punhais, presos a seus tornozelos por fitas de seda. Em toda minha vida nunca tinha visto nada mais belo, nem que me desse tanto medo.
.
Página 29 - O Jogo do Anjo

Comentários

vida cotidiana disse…
Gostei hein? ainda não li, tá na minha lista, bjs
Tatiana disse…
Hummm gostei!
Aguçou a curiosidade de ler o livro!
Uma bela semana para você Chris!

Beijos
Oi Chris!

Li,do Carlos Ruiz Zafon,'A Sombra do Vento' no início de janeiro.E gostei muito.
Começo a achar que vou colocar mais um dele na minha lista.
Um lindo dia,uma ótima semana pra você.
Beijos.
janelasdavida disse…
Pude visualizar a cena! Muito legal, sensual instigante... Me fale mais sobre esse livro! Seu blog sempre legal! Meu email: bonafidi@yahoo.com.br

Aguardo!

Bjs
OLÁ QUERIDA CHRIS, ADOREI O TEXTO... PARABÉNS!!!
UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO,
FERNANDINHA
*Silvia Alencar* disse…
Boa semana e fica com Deus...
beijos...
Deixei-me levar por aquela criatura até a cama, onde caí, literalmente, de bunda. A luz das velas acariciava o perfil de seu corpo. Meu rosto e meus lábios estavam na altura de seu ventre e, sem nem perceber o que estava fazendo, dei-lhe um beijo sob o umbigo e acariciei sua pele com as maçãs do rosto. Nessa altura, já tinha esquecido quem era e onde estava. Ela se ajoelhou diante de mim e pegou minha mão direita. Languidamente, como um gato, lambeu meus dedos um a um. Depois, olhou-me fixamente e começou a tirar minha roupa. Quando quis ajudá-la, sorriu e afastou minhas mãos.

— Shhhh.

Quando terminou, inclinou-se para mim e lambeu meus lábios.

— Agora você. Dispa-me. Devagar. Bem devagar.
Fernanda! disse…
Adoro tuas dicas de leitura.

Vou pegar carona com a galera e vou ler tbem.

Adorei a postagem.

Beijos de luz minha linda!
FRAN "O Samurai" disse…
Oi querida!

Hummm... Gostei do texto, por um leve momento me veio a cabeça um... vampiro! Adorei mesmo, fiquei curioso em ler mais. Adoro textos que tem coisas sobrenaturais. Fascinates!

Voltei aqui e agora é pra ficar! Hehehe! Nossa, depois de uma grande luta para colocar o PC em ordem, perdi muito tempo e muitas coisas na blogsfera. Pois bem estou aqui nesse cantinho maravilhoso.

Beijos.
Saara Senna disse…
Gostei do texto, embora não tenha lido ainda... mas depois dessa, já é uma ótima dica.

Beijo grande :)
Georgia disse…
Oi, parece ser super interessante o livro e já o encomendei.

Mas gostaria de te convidar ser uma das nossas convidadas para nos dar uma entrevista neste blog aqui:

http://www.elasestaolendo.blogspot.com/

caso aceita, venha nos confirmar para que eu te envie a entrevista.

Um abraco
(Carlos Soares) disse…
Muito legal.Parabéns
Adorei!!!

Tem selinho la para vc.

beijooo
R.Vinicius disse…
Você sabe como me deixar mais curioso né?! rsrs :)

Abraço,

R.Vinicius

Postagens mais visitadas deste blog

Borboletas (Mário Quintana)

Borboletas
(Mário Quintana)

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre, e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é n…

Há para Todas as coisas, um Tempo determinado por Deus.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: . Há Tempo de nascer, e tempo de morrer; Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou: . Tempo de matar, e tempo de curar: Tempo de derribar, e tempo de edificar: . Tempo de chorar, e tempo de rir: Tempo de prantear, e tempo de saltar: . Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras: Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar: . Tempo de busca, e tempo de perder: Tempo de guardar, e tempo de deitar fora: . Tempo de rasgar, e tempo de coser: Tempo de estar calado, e tempo de falar: . Tempo de amar, e tempo de aborrecer: Tempo de guerra, e tempo de Paz. . Eclesiastes 3:1-8
Fotografia de Carol Silveiro http://www.flickr.com/photos/carolsilvestre/2943859815/

Troca-se pintinho por garrafa...rs

Retrospectivasdeinfância... . Era uma vez... Um carroceiro que passava gritando na rua: _ Trocam-se pintinhos por garrafa !!!! _Panela velha, ferro velho e garrafão. _Um garrafão vale 1 pintinho !!! . Quando ouvíamos isso, saíamos correndo gritando: _Mãe !!!! Me dá uma panela velha, um garrafão pra trocar pelo pintinho !!! Saíam as crianças todas da rua, cheias de panela, garrafas e ferro-velho para trocar pelos lindos pintinhos coloridos, de todas as cores e todos piando ao mesmo tempo, pra felicidade geral da criançada. . Eo carroceiro, muito malandramente, pegava uma quantidade que valeria no mínimo !!! uns 4 pintinhos, e na troca, só nos davam 1 ou no máximo 2 pintinhos. Mas, como éramos crianças, e não entendíamos de economia, um peso e duas medidas ou coisa do gênero.... Saíamos felizes da vida, uns com menos pintinhos, outros com uma caixa de papelão cheias deles, pra enlouquecerem as mamães. rsrs E as mães em pânico !!!! _Onde vamos botar tantos pintos ????? . Arrumávamos uma gaiola de passar…