Pular para o conteúdo principal
Poesia: Decidi Caminhar (As Areias), J.F de Souza
http://escuchameporra.blogspot.com/2006/07/decidi-caminhar-as-areias.html

Recebi uma visita do amigo J.F de Souza, que fez uma referência à uma poesia que lhe trouxe lembranças, lendo uma última que fiz, gostaría de deixar aqui, fui em seu link, li, gostei e me identifiquei muito com ela, em determinados momentos, mergulhei no sentido e na essência dela.

Delícia é poder ter o consolo no meio da Poesia e nas palavras, fotografias, arte, dos amigos e novos amigos que tenho feito, sempre carinhosos e com coração e alma interligados pelo amor ás palavras e arte.


Decidi Caminhar ( As areias )

Decidi caminhar Afinal, nessa vida, todos caminham

Caminho pelas dunas de areia

Em meio a uma tempestade

Contra ela

Quero seguir em frente

Não vou parar

Não posso ficar perdendo tempo parado - Por quê?

Porque já fiquei parado por aqui

E não é bom

Por isso

Decidi caminhar

Decidi caminhar

.

Não é fácil caminhar com areia nos olhos

E nos ossos

Um castelo de areia

É isso que eu sou

Mas as tempestades

Que serviam para que me formassem e me moldassem

Começaram a me deformar

Um monte de areia disforme

Pois não há mais ninguém para me moldar

Se eu parar por aqui

Volto a ser um monte de areia

.

Do pó ao pó

Mas não acabou ainda

Decidi caminhar

Decidi caminhar

Novamente Contra a tempestade

Mas várias vezes o cansaço me venceu

E eu parei pra descansar

Chega uma hora

Que a gente sente o desgaste

Parei E, quando volto a caminhar, percebo que estou perdido

Tento achar um indício de onde estou

Mas pra onde quer que eu olhe... S

ó vejo areia

Não há nada

Nem ninguém

sera onde vou?

Acho que vi alguma coisa - Por ali!

Um vulto

Alguém que caminhava em meio a tempestade

Caminhava contra ela Assim como eu

- Não consigo alcançar! Tentei gritar...

Quase morri de tanta areia que engoli

E não me ouviram

.

E aí?

Espero outra calmaria?

Afinal... Depois da tempestade, sempre há calmaria... ...

E depois da calmaria, mais tempestade...

- Não! Vou caminhar!

Decidi caminhar

Até a tempestade passar

E a tempestade passou

Agora posso tirar a areia dos olhos

Mas não dos ossos

Agora eu posso ver claramente Mais areia...

E mais areia... Areia... Areia, areia, areia...

Mas... - O que vejo???

Pessoas... Pessoas, pessoas, pessoas... Mais pessoas...

E mais pessoas... Não estou mais sozinho!(?)

- Saudações a todos!!! ... ??? ...

- Olá! Me ajudem! ... ...

Será que os povos não querem me ajudar?

Muitos seguem sem me dar atenção...

Acho que estão com areia nos ouvidos

Outros estão ocupados

Tirando a areia dos olhos

Alguns voltam sua atenção

Poucos E alguns dos poucos

Tornam suas atenções ao seu próprio caminho

As areias corroeram os pensamentos dessas pessoas - Só pode!

Não se comovem com a súplica de alguém

Não se importam com pessoas S

ó com a areia

Não vêem

Não ouvem

Não pensam em nada

Senão areia

Estão quase que lado-a-lado com outros semelhantes

Mas só querem seguir o seu próprio caminho

Só querem continuar

Pra não ter que ver

Ouvir Pensar Mais areia...

Por isso Elas decidiram caminhar

Sem se importar com quem está atrás ou na frente

Sem se importar com mais nada

.

Decidi caminhar

Poque há esperança

Há gente disposta a me ajudar

Estavam exaustos

Assim como eu Paramos todos e nos juntamos

Trocamos experiências

Conversamos sobre a jornada

Alguns não falavam muito a respeito (Eu, por exemplo)

Outros, não se incomodavam com isso

Dentre esses Tinha quem não se lamentasse

Tinha quem se frustrasse

Tinha quem fizesse piada

Tinha quem se irritasse com as piadas

Tinha quem achava válido tudo isso

Tinha quem não entendia mais o que estava fazendo

Tinha quem ficasse aliviado

Tinha quem pensasse no que vem depois

E se desanimava

Ou se animava

Ou desdenhava

Não importava

Todos estávamos ali

Nas mesmas dunas de areia

Na mesma jornada

Talvez com expectativas diferentes, com objetivos diferentes

Mas estávamos juntos

E decidimos: Juntos iríamos continuar

Decidi caminhar Caminhar junto dessas pessoas

Que ouviram

E viram

Toda a areia de que sou feito

Juntos iríamos caminhar

Até que a morte, a sorte, o destino, o objetivo, as miragens, as bobagens, a próxima tempestade, as tempestuosidades, os temperamentos, os ímpetos, as diferenças...




Até que as areias nos separassem

Juntos decidimos caminhar

Decidi caminhar junto deles

Mas a tempestade chegou

Eu não tinha percebido que havia tempestade se aproximando

Farreamos demais

Paramos Enquanto outros achavam melhor seguir

- Queríamos aproveitar esse momento...

Mas agora veio a tempestade

Só vemos areia

Ainda vemos nossos vultos

Alguns se perdem Tentamos procurar... -

Nada! Só areia! Seguimos como podemos

Tentando ficar juntos

Além das areias em nossos ossos agora, há a areia trazida pela tempestade

- Vai ser difícil! Mas temos que resistir a ela!

- Resistiremos se ficarmos todos juntos!

Continuamos juntos Nos ajudando

Não deixando ninguém desanimar

Não nos deixando abater

Continuamos juntos até onde deu... A vida - e não a morte nos separou

Cada um seguia Agora O seu caminho de areia

.

Só me dei conta disso Quando cansei...

Caí...

E vi que não havia ninguém pra me levantar... Só areia...

Cansei!

Caí!

Mas me levantei

E decidi continuar Decidi caminhar

- É sempre a mesma coisa...

Depois de cair e me dar conta de que estou sozinho

Decidi caminhar - É sempre a mesma coisa...

Ando, paro Vejo tempestades, calmarias...

E mais areia! Poderia parar e me tornar areia também...

Mas decidi caminhar assim mesmo

Pode ser que eu encontre algo além dessas dunas

Algo que não seja areia - Não é possível que só haja areia!

Não quero acreditar que viemos da areia só pra acabar em areia...

- Deve haver algo mais...

É esse algo mais que eu busco

Algo mais além das areias

Que cobrem a tudo e a todos

De pessoas que foram além das areias

Nunca ouvi falar... Vi várias pessoas serem engolidas pela areia para se tornarem areia...

- Mas comigo há de ser diferente!

- Vou chegar além das areias! Então, decidi caminhar

Até as areias me pararem...

.

por J.F. de Souza

Fotografia: Galeria de Gruetzmacher
http://www.flickr.com/photos/grutz/3043095513/

Comentários

J.F. de Souza disse…
Como vc pôde ver, ela é gigantesca...

Que bom que você gostou, mesmo assim, querida! =)

Obrigado pelo carinho todo, Christi! =)

Ah! Tomei a liberdade de te adicionar aos meus contatos do MSN, OK? ;-)

Prazer em conhecer!

=*
» Nøélya « disse…
Linda poesia!
O mérito do autor claro, mais também seu por ter feito a publicação, adorei seu blog...
Outra hora passo com mais calma!!!
Janaína S. disse…
ahh, muito obrigada pela força, espero mesmo que algum me sinta assim ;) rsrs

volte mais vezes.

grande beijo :*
Poemar disse…
E olha que é uma longa e instrutiva caminhada, assim como a de todos nós.

Ótimo!

Beijos!
J.F. de Souza disse…
Já chorei bastante por hoje, querida! Obrigado!

=)

=*
Luciana disse…
Nooooooooooosa que lindo!
Todos tem aréia no caminho as vezes,e ela é ruim,pois dificultaa nossa caminhada.E ela é boa,pois nos ajuda a se fortalecer.
Que essas aréias no nosso caminho siirva pra nos fazer crescer,que ela n esntre nos nossos ouvidos ou nossos olhos,que ela so nos fortaleça!

Lindo o teu cantinho!!!A-M-E-I,so pelo primeiro texto que li.Tô correndo agora mais depois vou fuçar legal rs...
Bjos e obrigada pela visita e fique a vontade viu!
Bjos
Patty disse…
Caminhar sem pressa, um passo de cada vez e assim vamos seguindo...
Lindo poema!

Um beijo
Tatiana disse…
Uma leitura que nos inspira a reflexão!

Lindíssima postagem!

Muitas dádivas para você na semana que inicia!

Beijinhos com meu carinho
Fernanda! disse…
Bom dia linda Christi!!

Também adoro ler o J.F. de Souza.

Ele tem o dom, só espero que continue escrevendo.

O blog ta um charme de cara nova.

Tenha uma semana iluminada.

Bjos de luz!

Postagens mais visitadas deste blog

Borboletas (Mário Quintana)

Borboletas
(Mário Quintana)

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre, e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é n…

Há para Todas as coisas, um Tempo determinado por Deus.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: . Há Tempo de nascer, e tempo de morrer; Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou: . Tempo de matar, e tempo de curar: Tempo de derribar, e tempo de edificar: . Tempo de chorar, e tempo de rir: Tempo de prantear, e tempo de saltar: . Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras: Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar: . Tempo de busca, e tempo de perder: Tempo de guardar, e tempo de deitar fora: . Tempo de rasgar, e tempo de coser: Tempo de estar calado, e tempo de falar: . Tempo de amar, e tempo de aborrecer: Tempo de guerra, e tempo de Paz. . Eclesiastes 3:1-8
Fotografia de Carol Silveiro http://www.flickr.com/photos/carolsilvestre/2943859815/

Troca-se pintinho por garrafa...rs

Retrospectivasdeinfância... . Era uma vez... Um carroceiro que passava gritando na rua: _ Trocam-se pintinhos por garrafa !!!! _Panela velha, ferro velho e garrafão. _Um garrafão vale 1 pintinho !!! . Quando ouvíamos isso, saíamos correndo gritando: _Mãe !!!! Me dá uma panela velha, um garrafão pra trocar pelo pintinho !!! Saíam as crianças todas da rua, cheias de panela, garrafas e ferro-velho para trocar pelos lindos pintinhos coloridos, de todas as cores e todos piando ao mesmo tempo, pra felicidade geral da criançada. . Eo carroceiro, muito malandramente, pegava uma quantidade que valeria no mínimo !!! uns 4 pintinhos, e na troca, só nos davam 1 ou no máximo 2 pintinhos. Mas, como éramos crianças, e não entendíamos de economia, um peso e duas medidas ou coisa do gênero.... Saíamos felizes da vida, uns com menos pintinhos, outros com uma caixa de papelão cheias deles, pra enlouquecerem as mamães. rsrs E as mães em pânico !!!! _Onde vamos botar tantos pintos ????? . Arrumávamos uma gaiola de passar…