Pular para o conteúdo principal

Liberar quem se ama...


Dois monges budistas viajavam juntos, quando chegaram às margens de um rio que transbordara por causa de uma enchente recente. À margem estava uma linda jovem vestida em roupas finas. Ela desejava, obviamente, atravessar o rio, mas estava aflita com a perspectiva de estragar a elegância.
.
Sem hesitar, um dos monges ofereceu-se para carregar a jovem nas costas através do rio e a colocou em terra seca, do outro lado. Em seguida, os dois monges seguiram viagem, mas o outro monge começou a se queixar:
- Não é correto tocar numa mulher, principalmente numa tão jovem e adorável. Experimentar contato íntimo é contra nossos preceitos. Como pode violar as regras dos monges?
O monge que carregara a mulher caminhou em silêncio por alguns minutos, antes de dar uma resposta.
.
Finalmente falou:- Eu a deixei perto do rio, mas você ainda a está carregando.
.
Reflita sobre essa breve história, limpe a sua mente, seu emocional e sua vida de tudo que estiver constituindo um fardo que impeça a sua felicidade, a sua progressão e evolução.
.

Desapegue-se de todo esse lixo mental...
pois pra voar mais alto você precisa estar leve... bem leve.
.
Texto extraído do Blog do meu amigo Cirilo Moraes
Fotografia - Eu copiei de um blog que vi, mas não estou me lembrando agora, não tenho como postar a citação, mas fica aqui, o respeito e a admiração pela imagem.
Achei !!! A fotografia é do blog da Ana - Pelos Caminho da Vida.
E mais delicioso foi a permissão dela no comentário, te adoro Ana, vc é dez !!! Toda arte fotográfica que tens em seu acervo é incomparável.
Beijocas

Comentários

Que lindo! Temos mesmo uma mania danada de carregar as coisas nas costas e pela vida, tornando o nosso fardo sempre tão pesado... liberdade em busca de paz...

Adorei te receber no canto...

Vou te adicionar e acompanhar pelo meu blog pessoal.

Bjo.
Vou lembrar vc de que blog vc copiou a foto(do meu).
Linda essa foto,amiga fique a vontade para copiar as fotos que vc quizer,é sinal que vc passou pelo meu blog e gostou,e espero que volte nele qtas vezes quizer,pois sempre serás bem vinda.
Qto ao texto,é uma excelente reflexão para nós que as vezes carregamos coisas além do nosso limite nosso.
Um gde abraço,te espero lá no meu blog.

bjs.
Tata disse…
Oi,

Desculpe a demora em retornar sua visita.Adorei seu blog, bastabte coisa boa!!!!
É sempre bom descobrir blogs bons como o seu!Vou te linkar!
beijinhos
Carla Sofia disse…
Oláaaaa.....
Vim visitar-te. Que linda história e deixou-me a pensar. É uma bela metáfora sobre como ficamos muitas vezes presos a uma ideia. A liberdade é o desapego.
Voltarei mais vezes e deixo muitos beijinhos cintilantes para ti
:)
Fernanda! disse…
...Desapegue-se de todo esse lixo mental...
pois pra voar mais alto você precisa estar leve... bem leve...

Perfeito! Ainda bem que temos a escrita e nosso espaços pra despejar os nossos lixos emocionais.

Adorei linda!

Beijos no coração :*****


P.S, vou usar essa frase pra responder alguns comentarios no meu ultimo texto, tem pessoas que ler e nao entende nada.

Luz e paz!
Vivian disse…
...olá linda!

este texto é maravilhoso,
assim como todos os ensinamentos
budistas, que sempre trazem
mensagens para nosso crescimento
interior.

de fato quantos 'fardos' carregamos
sem necessidade, e com isso deixamos de alçar voos mais altos,
à altura de nossos objetivos e sonhos.

quanto a aprender, my God!

bjs, obrigada pelos carinhos
lá em casa.
Gilbamar disse…
A visão que o outro monge teve a respeito do gesto de seu companheiro foi distorcida pela incoerência e preconceito. Certamente, também, havia um quê de inveja por seu irmão ter tocado em uma mulher de maneira respeitosa e como forma de amor ao semelhante. Mas assim são os seres humanos e muitas vezes.

Deixo meu abraço fraterno e amigo.
Flor ♥ disse…
Oi, Chris! Um grande toque para a nossa mania de carregar fardos que não nos pertencem mais! Como é difícil nos desapegarmos de fatos passados...
João da Silva disse…
Adorei esta belíssima história, que é verdadeira lição de vida e de sabedoria.
Beijinhos carinhosos do João

Postagens mais visitadas deste blog

Borboletas (Mário Quintana)

Borboletas
(Mário Quintana)

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre, e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é n…

Há para Todas as coisas, um Tempo determinado por Deus.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: . Há Tempo de nascer, e tempo de morrer; Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou: . Tempo de matar, e tempo de curar: Tempo de derribar, e tempo de edificar: . Tempo de chorar, e tempo de rir: Tempo de prantear, e tempo de saltar: . Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras: Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar: . Tempo de busca, e tempo de perder: Tempo de guardar, e tempo de deitar fora: . Tempo de rasgar, e tempo de coser: Tempo de estar calado, e tempo de falar: . Tempo de amar, e tempo de aborrecer: Tempo de guerra, e tempo de Paz. . Eclesiastes 3:1-8
Fotografia de Carol Silveiro http://www.flickr.com/photos/carolsilvestre/2943859815/

Troca-se pintinho por garrafa...rs

Retrospectivasdeinfância... . Era uma vez... Um carroceiro que passava gritando na rua: _ Trocam-se pintinhos por garrafa !!!! _Panela velha, ferro velho e garrafão. _Um garrafão vale 1 pintinho !!! . Quando ouvíamos isso, saíamos correndo gritando: _Mãe !!!! Me dá uma panela velha, um garrafão pra trocar pelo pintinho !!! Saíam as crianças todas da rua, cheias de panela, garrafas e ferro-velho para trocar pelos lindos pintinhos coloridos, de todas as cores e todos piando ao mesmo tempo, pra felicidade geral da criançada. . Eo carroceiro, muito malandramente, pegava uma quantidade que valeria no mínimo !!! uns 4 pintinhos, e na troca, só nos davam 1 ou no máximo 2 pintinhos. Mas, como éramos crianças, e não entendíamos de economia, um peso e duas medidas ou coisa do gênero.... Saíamos felizes da vida, uns com menos pintinhos, outros com uma caixa de papelão cheias deles, pra enlouquecerem as mamães. rsrs E as mães em pânico !!!! _Onde vamos botar tantos pintos ????? . Arrumávamos uma gaiola de passar…