Pular para o conteúdo principal

A Alma do Aviador que encontrou pouso...

















Certo dia e não mais que um...
Alfredo se encantou com as nuvens...

Na verdade, ele se encontrou nas nuvens .

Ainda criança, deitava na grama de sua casa e esperava o entardecer formar os desenhos das incríveis bolas de algodão mágicas, era assim, que ele chamava as nuvens no seu tempo de infância...

Em sua imaginação, ele sabia pegar as formas de algodão e contava as histórias pra si mesmo, encontrou um algodão com a forma de um dragão e lutava com ele, em seu cavalo, era o Rei infantil de sua geração.
Sua mãe gritava e nem desconfiava de quanta magia Alfredo vivia e de tão longe disso ela se enfiava.

Era um mundo á parte, cheio de céu azul, e nuvens brancas, outras vezes cinzas, mas elas vinham tão rápido que ele desistia de formar os tais desenhos, porque não conseguia acompanhar o raciocínio do céu.

Ele, o céu, era o dono de seu algodão mágico, do entardecer...
E um dia pensou: _Vou um dia morar perto delas, dominar o céu, a ponto de duelar com ele, e ganhar as nuvens que lhe pertencem. Rasgarei e me enfiarei no meio delas, me escondendo e tomando forma do meu corpo físico com o seu imaginário, fundindo os dois lados dessa vida tão distante...

Alfredo dizia: _Não mais ficarei aqui embaixo, na terra !!!
Vou um dia, e não mais que um, fazer parte do que ta lá em cima...
Não vou criar asas, não vou virar pássaro, mas vou ter a liberdade de pousar no infinito...Vou dominar o céu e falar pra ele, que quem manda nessas nuvens que imagino, sou eu !!!O céu dá moradia a elas, as incríveis nuvens brancas...

Mas, sou eu quem dou vida a elas, e isso que importa, o que elas são em minhas mãos, mente e coração.

O céu é só a casinha, eu sou o porto, o céu é só o amparo, eu sou o guia, o céu é só a moldura, eu sou as cores da tinta, o céu é só o reboco, eu sou o alicerce

Algodão Algodão...mágico de mim, um dia vou pousar num mundo sem fim, cheio de estrelas que te expulsam, cada um tem seu horário, mas enquanto eu lhes der forma, serás pouso na alma de um aviador imaginário.

Chris

Comentários

Chris,só agora vi seu comentário lá no meu recanto.Obrigado pelas palavras e o carinho deixados lá.
Vim retribuir sua visita e me sinto
premiado por aqui chegar.Um cantinho
tão aconchegante,cheio de beleza nas
imagens e nas palavras essencialmente poéticas.
Belísimo o post de hoje,que me fez
lembrar do poema Nuvens do eterno Jorge Luis Borges:
"Não há uma só coisa que não seja
nuvem.Assim são essas catedrais
de vasta pedra e bíblicos cristais
que o tempo alisa.A odisséia,veja,
muda com o mar;há algo distinto
a cada vez que o abrimos.Seu velho
rosto já é outro,visto no espelho,
e o dia é um duvidoso labirinto.
Somos os que se vão.A volumosa
nuvem que se desmancha no poente
é a nossa imagem.Incessantemente
a rosa se converte em outra rosa.
Você é nuvem,mar,esquecimento.
E é o que perdeu a cada momento."

Apareça no recanto quando quiser.
Será sempre um prazer para mim.
Beijos.
Amarísio
Corrigindo:belíssimo.
Mais beijos
Átila Siqueira. disse…
Que lindo seu texto, muito bonito, cheio de sonhos, cheio de utopias. Tudo muito gracioso por aqui.

Muita imaginação, muitas nuvens. Quem nunca imaginou história em meio a elas? Coisa boa isso, coisa maravilhosa.

Adorei seu texto, me fez passear por entre as nuvens.
Me fez ser um garoto que brincava entre elas.

Quero te pedir desculpas pela falta de visitas. Acho que seu blog não está atualizando na minha lista. Eu geralmente visito conforme vejo atualizações, mas não tenho visto as suas em minha lista.

Mas prometo prestar mais a atenção, afinal de contas, também já me considero seu amigo, e te tenho grande apreço.

Fico feliz que tenhas gostado de meu conto, ele faz parte de um de meus livros. Quanto ao meu livro, Vale dos Elfos, ele ainda não saiu. Eu ainda não tenho outro lançado, esse é o primeiro, embora eu deva lançar um de poesias também em breve. Tenho também dois poemas e dois contos lançados na Câmara Brasileira de Jovens Escritores, mas por enquanto é só.

O Vale dos Elfos deve sair muito em breve, na verdade era para ter saído sexta feira, e não sei o que aconteceu com a editora que não lançou. Segunda feira tenho que ligar para saber. É uma peleja.

Mas obrigado pela visita e pelo carinho, fico super feliz com a sua presença.

Volte sempre, tá?

Um grande abraço,
Átila Siqueira.
Deusa Odoyá disse…
Olá minha nova amiga:
Adorei seu texto.
Uma semana recheadad de muita luz e paz.
Voltarei mais vezes.
Te aguardo em meu cantinho.
Regina Coeli.
Anônimo disse…
Vc é uma escrito poetisa e nunca me falou???
Dizem que são nos pequenos frascos que estão os melhores perfumes, ou seja, uma pequena baixinha marrenta, com certeza vai escrever as coisas mais bonitas que pdoem fazer o coração de alegrar.

Vc é unica.

Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Borboletas (Mário Quintana)

Borboletas
(Mário Quintana)

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre, e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é n…

Há para Todas as coisas, um Tempo determinado por Deus.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: . Há Tempo de nascer, e tempo de morrer; Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou: . Tempo de matar, e tempo de curar: Tempo de derribar, e tempo de edificar: . Tempo de chorar, e tempo de rir: Tempo de prantear, e tempo de saltar: . Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras: Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar: . Tempo de busca, e tempo de perder: Tempo de guardar, e tempo de deitar fora: . Tempo de rasgar, e tempo de coser: Tempo de estar calado, e tempo de falar: . Tempo de amar, e tempo de aborrecer: Tempo de guerra, e tempo de Paz. . Eclesiastes 3:1-8
Fotografia de Carol Silveiro http://www.flickr.com/photos/carolsilvestre/2943859815/

Troca-se pintinho por garrafa...rs

Retrospectivasdeinfância... . Era uma vez... Um carroceiro que passava gritando na rua: _ Trocam-se pintinhos por garrafa !!!! _Panela velha, ferro velho e garrafão. _Um garrafão vale 1 pintinho !!! . Quando ouvíamos isso, saíamos correndo gritando: _Mãe !!!! Me dá uma panela velha, um garrafão pra trocar pelo pintinho !!! Saíam as crianças todas da rua, cheias de panela, garrafas e ferro-velho para trocar pelos lindos pintinhos coloridos, de todas as cores e todos piando ao mesmo tempo, pra felicidade geral da criançada. . Eo carroceiro, muito malandramente, pegava uma quantidade que valeria no mínimo !!! uns 4 pintinhos, e na troca, só nos davam 1 ou no máximo 2 pintinhos. Mas, como éramos crianças, e não entendíamos de economia, um peso e duas medidas ou coisa do gênero.... Saíamos felizes da vida, uns com menos pintinhos, outros com uma caixa de papelão cheias deles, pra enlouquecerem as mamães. rsrs E as mães em pânico !!!! _Onde vamos botar tantos pintos ????? . Arrumávamos uma gaiola de passar…